Pesquisar este blog

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Divórcio e novo casamento - uma visão literal








Divórcio e novo casamento entre os cristãos numa visão literal das palavras bíblicas. Vejamos as passagens neotestamentárias que falam sobre esse importante assunto:


Marcos 10:9 - Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem. E em casa tornaram os discípulos a interrogá-lo acerca disto mesmo. E ele lhes disse: Qualquer que deixar a sua mulher e casar com outra, adultera contra ela. E, se a mulher deixar a seu marido, e casar com outro, adultera.

Lucas 16:18 - Qualquer que deixa sua mulher, e casa com outra, adultera; e aquele que casa com a repudiada pelo marido, adultera também.

Romanos 7:1-3 - Não sabeis vós, irmãos (pois que falo aos que sabem a lei), que a lei tem domínio sobre o homem por todo o tempo que vive? Porque a mulher que está sujeita ao marido, enquanto ele viver, está-lhe ligada pela lei; mas, morto o marido, está livre da lei do marido. De sorte que, vivendo o marido, será chamada adúltera se for de outro marido; mas, morto o marido, livre está da lei, e assim não será adúltera, se for de outro marido.

I Corintios 7:10-11 - Todavia, aos casados mando, não eu, mas o Senhor, que a mulher não se aparte do marido. Se, porém, se apartar, que fique sem casar, ou que se reconcilie com o marido; e que o marido não deixe a mulher.

Mateus 5:32 - Eu, porém, vos digo que qualquer que repudiar sua mulher, a não ser por causa de porneia, faz que ela cometa adultério, e qualquer que casar com a repudiada comete adultério (moicheia).

Mateus 19:9-12 - Eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de porneia, e casar com outra, comete adultério (moicheia); e o que casar com a repudiada também comete adultério (moicheia).  Disseram-lhe seus discípulos: Se assim é a condição do homem relativamente à mulher, não convém casar. Ele, porém, lhes disse: Nem todos podem receber esta palavra, mas só aqueles a quem foi concedido. Porque há eunucos que assim nasceram do ventre da mãe; e há eunucos que foram castrados pelos homens; e há eunucos que se castraram a si mesmos, por causa do reino dos céus. Quem pode receber isto, receba-o.

Antes de tecer os meus comentários a respeito desse assunto espinhoso, gostaria que vocês, que leem esse texto, pensassem na seguinte pergunta: como fica o caso de pessoas sinceras que se divorciaram e casaram novamente? Para maiores detalhes leiam depois o que falo no texto: A mulher samaritana.

 Caros leitores, os servos de Deus não se contradizem. Marcos, Lucas e Paulo foram taxativos em mostrar que não existe a possibilidade de recasamento entre discípulos do Senhor, estando um dos cônjuges vivos. Somente a morte separa aqueles que Deus uniu. Um casamento legal feito por livre e expontânea vontade entre um homem e uma mulher foi unido por Deus. Desculpas tipo: incompatibilidade de gênio, o amor acabou, não éramos cristãos, violência, drogas, nada é motivo para um segundo casamento de acordo com a palavra de Jesus. Existe até o caso de uma separação física, mas nesse caso permanece a palavra de Jesus: “Todavia, aos casados mando, não eu, mas o Senhor, que a mulher não se aparte do marido. Se, porém, se apartar, que fique sem casar, ou que se reconcilie com o marido...” Por que você acha que Jesus mandou, quem está numa situação dessas, virar eunuco? Um verdadeiro discípulo sempre vai procurar perdoar e fazer a vontade do seu Senhor. Quem disse que é fácil?

Mas e a exceção comentada por Jesus? Há muitas explicações para dizer o que significa a cláusula de exceção de Mateus e sabemos que  porneia pode significar qualquer pecado sexual, porém, no caso de Mateus qual seria o seu significado? Há cristãos que entendem que aquela exceção refere-se a qualquer pecado sexual cometido por um dos cônjuges; outros entendem que ela só se referia à mulher, ainda noiva, que cometesse um pecado sexual antes do casamento, etc.

A conversa de Jesus com os fariseus referia-se a esse texto da Torah: Deut. 24.1, que diz: Quando um homem tomar uma mulher e se casar com ela, então será que, se não achar graça em seus olhos, por nela encontrar coisa indecente, far-lhe-á uma carta de divórcio, e lha dará na sua mão, e a despedirá da sua casa. Juntando isso com o que Jesus disse sobre porneia percebe-se que a tal "coisa indecente" tem algo a ver com o sexo. Adultério? Pode estar incluso sim no significado amplo de porneia. Mas penso que não era esse o caso, pois isso era punido com a morte por meio do apedrejamento. Mas e hoje, que não se mata mais quem adultera? Como disse, alguns entendem que o termo porneia inclui também o adultério e que Jesus estava, de fato, querendo abranger todos esses pecados sexuais e, por isso, usou o termo porneia, por ser mais amplo, e não moicheia que só se refere ao adultério. Se for isso mesmo, então, o adultério daria condição para se casar novamente, mas isso nos dias de hoje, pois naquela época o adultério era puinido com a morte. Se não for isso, então, só a morte libera alguém casado para se casar novamente.
 Mas, enfim, o que seria, então, a tal coisa indecente e que Jesus, no evangelho de Mateus, associou à porneia? Seria um pecado sexual. Apesar de muitas pessoas dizerem que a "coisa indecente" poderia ser qualquer outra coisa, como por exemplo: a mulher falar alto com o marido, deixar a comida queimar, cuidar mal da casa, etc. isso não faz justiça aos textos citados. Mas por que tal exceção não foi falada nos outros evangelhos ou nas epístolas de Paulo? Porque, ao que parece, isso foi levantado pelos judeus, mostrando um caso específico deles, mas não podemos nos esquecer que no começo do diálogo Jesus disse que o intento de Deus é que não deve haver a separação, pois ele disse que o que Deus uniu o homem não pode separar. Meu caro leitor, perceba essas palavras com atenção: O homem não pode separar o que Deus uniu. Ponto final. Logo, parece que há mais razão em dizer que a exceção apresentada por Jesus referia-se, sim, a algum caso específico entre os judeus e que a tal "coisa indecente" seja um pecado sexual como no caso de José e Maria em que eles estavam noivos e José tinha achado que Maria o havia traído. Por isso tal exceção não foi comentada nos outros textos do Novo Testamento. O noivado entre os judeus era um compromisso tão sério, que os noivos passavam a se tratar como marido e mulher. Veja Mateus 1.19 quanto a esse respeito.

Corroborando com esse raciocínio, podemos ver um outro texto esclarecedor de Deut. 22. 13-30 onde se fala sobre o homem ao se casar com uma mulher e descobrir que ela não é mais virgem pediria, então, a separação e tendo ele razão a mulher seria apedrejada. Entretanto, se ele estivesse mentindo seria castigado, pagaria uma indenização ao pai da moça e ficaria casado com ela sem ter o direito de se divorciar. É esse o caso, ao  que parece, em que Jesus se referiu em Mateus quando disse porneia.

Mas, de qualquer maneira, como fica a misericórdia de Deus num caso de divorciados que recomeçaram suas vidas com outras pessoas? Leia o que postei a respeito no texto "A mulher samaritana" 


Diante disso, reporto-me a você, leitor ou leitora, que diz ser um discípulo(a) de Yeshua minatzrat (Jesus de Nazaré) e que está nessa situação de uma pessoa que se divorciou por um motivo que não foi um pecado sexual ilícito e que casou novamente, mas que busca um recomeço.  Sabemos que a salvação é pela graça e não pelas obras e sabemos, também, que a graça de Deus uma vez aceita, gera em nós o dever da obediência aos mandamentos de Deus, isto é, ao que Jesus nos pede, praticando seus ensinamentos. Todos nós somos pecadores, não há um justo sequer, mas os verdadeiros discípulos não podem viver na prática do pecado; o pecado na vida deles é um acidente e não uma ação constante e deliberada; eles não se comprazem em um pecado consciente e contínuo, não inventam desculpas ou se justificam para praticarem seu pecado e não continuam nesse erro como se tudo fosse absolutamente normal; eles levam a sua cruz até o fim.  Busque na palavra de Jesus o que ele ensinou a respeito disso. Busque fervorosamente! O pecado é chamado pelo seu nome por esses que dizem ser discípulos. João Batista não se esquivou de chamar o pecado pelo nome, quando acusou Herodes de adultério, mesmo diante da morte. Entretanto, quantos sinceros cristãos estão divorciados que casaram novamente e estão procurando, no seu íntimo, agradar a Deus? Já li textos em que os seus autores orientam tais pessoas a se separarem do novo casamento e voltarem ao primeiro ou ficarem sós. Por acaso Jesus mandou a mulher samaritana voltar para o seu primeiro marido? Ore a Deus e peça para que Ele te dê forças e te capacite a fazer a Sua vontade custe o que custar. Tenha certeza que o SENHOR DEUS vai te capacitar e mais uma vez, pense no tamanho do sacrifício que o seu Mestre fez por você e busque a verdade na Sua palavra. Busque-a sempre e uma vez encontrada e solidificada em sua mente, cumpra-a por meio da graça de nosso Senhor Jesus Cristo, do amor de Deus e da comunhão do Espírito Santo.

Que Deus nos ilumine sempre e sempre. Que Deus te abençoe rica e abundantemente e que a misericórdia de Deus reine em nossas vidas sempre e que você, que é uma pessoa divorciada e que tenha se casado novamente e que foge à exceção falada por Jesus, encontre na sua (Deus) palavra a resposta. É o meu sincero desejo. E lembre-se: Tudo passa, mas aquele que faz a vontade de Deus permanecerá para sempre.
revisado em 20/09/2016

3 comentários:

  1. Well,
    Parabéns pelo texto.
    O verdadeiro discípulo de Deus deve ser obediente aos Seus Mandamentos, esforçando-se em ter uma vida digna de cristão, tendo como modelo os exemplos deixados por Jesus.
    O mundo em que vivemos está totalmente distorcido, valorizando-se o ter ao invés do ser.
    E eis a questão que você levantou: Você quer ganhar o mundo, perdendo a asua alma ou ganhar a sua alma, deixando de seguir o que o mundo prega?
    Sinceramente, perdeu-se a questão de passar os valores as novas gerações, com a desculpa de sempre de que não se tempo para isso, pois trabalha-se muito, chega tarde, etc. São só desculpas de um acomodado, peço desculpas pela sinceridade, mas é o que me parece.
    Pais tem seus filhos para delegar aos outros a sua criação e, ainda assim, culpa estas pessoas pela "educação" errada. Filhos que crescem sem ter a experiência do diálogo e do vínculo de pais e amigos formado. Casamentos que são desvalorizados a cada dia. Famílias que deixam de existir de uma hora para outra.
    Ainda há tempo de voltarmos para o que Deus nos ensina na Bíblia e sermos obedientes, caso queiramos segui-Lo verdadeiramente, com simplicidade.
    Obstáculos existirão para que isso aconteça, mas você deve determinar o que quer realmente de sua vida. Lembrando que esta é passageira. Nada levarás dela, a não ser sua alma.Não seja um cristão morno! Seja determinante na escolha do caminho que fez para seguir a Deus! O que importa é a fé e, principalmente, as obras. Pois fé sem obras, não tem validade.
    Pensem nisso!!!
    Um abraço e Deus os abençoe!!!

    ResponderExcluir
  2. Esse tema é espinhoso, difícil. Você teve coragem de tocar no assunto. Apesar de ser cristão e comprometido com as verdades sagradas, penso que não é um bom caminho constranger um casal a ficar junto tão somente porque a Bíblia "orienta", impingindo-lhes versículos bíblicos. A abordagem fundamentalista não ajuda. Se assim for, o casal poderá até rever o divórcio, mas provavelmente será por medo de uma condenação, o que não é ideal. Seguir a Jesus por medo de condenação nunca foi o plano de Deus, não reflete amor, é fardo pesado demais.
    Em Mateus 19.9, Jesus orienta sobre divórcio, adultério e repúdio à mulher. Nessas questões não podemos ser simplistas. É necessário se debruçar sobre o tema para a compreensão do que Jesus pretendeu ensinar quando tratou do repúdio à mulher. Uma boa exegese e uma hermenêutica responsável certamente nos ajudarão. Não estaria Jesus proibindo as separações por motivos fúteis e banais? Ou será que Jesus proibira quaisquer separações conjugais apesar de todo tipo de dificuldades, incompatibilidades, humilhações, violências, vícios e desrespeitos, mesmo depois de todas as tentativas de perdão e recomeço?
    Sabemos que o ideal é que não ocorressem divórcios. A vontade de Deus – está claro – é que o casado não se separe. Não podemos fazer apologia ao divórcio, mas parece-me meninice negar que há casamentos que infelizmente se tornam insustentáveis.
    Sabemos que Deus pode mudar o cenário e salvar qualquer casamento, mas isso depende da vontade do casal. “Corações duros” inviabilizam esse tipo de ação divina.
    Por motivos diversos homens e mulheres de Deus abrem mão de seus matrimônios, e cada caso é uma história. Infelizmente, o imaginário religioso muitas vezes mostra sua face fundamentalista – inclusive no cristianismo reformado. Ainda há forte preconceito com pastores e outros líderes divorciados. Pessoas que antes eram ferramentas nas mãos de Deus transformam-se de um dia para outro em obreiros de segunda linha. Em minha opinião, esse é problema sobre o qual precisamos refletir, pois a realidade evidencia outro panorama. O Senhor é Deus de misericórdia e graça.
    (Romanos 14:19) –“Sigamos, pois, as coisas que servem para a paz e para a edificação de uns para com os outros.”
    (I João 3:20-21) –“Sabendo que, se o nosso coração nos condena, maior é Deus do que o nosso coração, e conhece todas as coisas. Amados, se o nosso coração não nos condena, temos confiança para com Deus.”

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ERc, meu amigo, entendo seu questionamento e até desejaria que ele fosse correto, mas não podemos esquecer que o Humanismo influenciou muito nossa cultura. De fato, ir a Jesus por medo da condenação nunca foi o correto. É certo, também, que Deus é amor e graça, mas também é fogo consumidor. A minha intenção com esse texto é fazer com que todos aqueles que querem, realmente, seguir a Jesus que reflitam em suas ações tomadas nessa vida. Como disse Jesus: a palavra que vos tenho dito, essa vos julgará no último dia. O que a palavra dele diz sobre esse assunto? Essa é a minha intenção com esse texto. Não sou ninguém para julgar, pois sou muito pecador, mas o que a palavra de Jesus diz sobre esse assunto condiz com as ações tomadas por aqueles que afirmam ser cristãos?

      Jesus era um fundamentalista? O simples fato de não haver outro meio de salvação a não ser por Jesus é um ato fundamentalista? O que é ser fundamentalista? O que você pensa a respeito dessa assertiva do Mestre? "Por isso vos disse que morrereis em vossos pecados, porque se não crerdes que eu sou, morrereis em vossos pecados" Jo. 8.24. Seria isso uma afirmação fundamentalista?

      Com certeza, a meu ver, Jesus proibiu o novo casamento estando, ainda, um dos cônjuges vivos. Marcos, Lucas e Paulo corroboraram com esse ensinamento. Mateus estava discorrendo sobre um caso típico dos judeus, onde havia o desposamento, que seria um compromisso legal, mas não, ainda, o compromisso conjugal, tal qual o exemplo de José e Maria. Apenas nesse ínterim (entre um e outro) poderia haver a dissolução por haver o homem achado "coisa indecente na mulher", em outras palavras, ela ter se relacionado sexualmente antes do compromisso conjugal com outro homem.

      O assunto realmente é difícil, mas é claro. É como disse Jesus: "Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me."

      Grande [ ] e que Deus nos ilumine sempre.

      Excluir