Pesquisar este blog

segunda-feira, 29 de julho de 2013

De graça recebestes, de graça dai


Não tenho prata, nem ouro...

     Mateus 10:5-11
5 - Jesus enviou estes doze, e lhes ordenou, dizendo: Não ireis pelo caminho dos gentios, nem entrareis em cidade de samaritanos;

6 - Mas ide antes às ovelhas perdidas da casa de Israel;
7 - E, indo, pregai, dizendo: É chegado o reino dos céus.
8 - Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios; de graça recebestes, de graça dai.
9 - Não possuais ouro, nem prata, nem cobre, em vossos cintos,
10 - Nem alforjes para o caminho, nem duas túnicas, nem alparcas, nem bordão; porque digno é o operário do seu alimento.
11 - E, em qualquer cidade ou aldeia em que entrardes, procurai saber quem nela seja digno, e hospedai-vos aí, até que vos retireis.

Atos 3:2-6
2 - E era trazido um homem que desde o ventre de sua mãe era coxo, o qual todos os dias punham à porta do templo, chamada Formosa, para pedir esmola aos que entravam.
3 - O qual, vendo a Pedro e a João que iam entrando no templo, pediu que lhe dessem uma esmola.
4 - E Pedro, com João, fitando os olhos nele, disse: Olha para nós.
5 - E olhou para eles, esperando receber deles alguma coisa.
6 - E disse Pedro: Não tenho prata nem ouro; mas o que tenho isso te dou. Em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, levanta-te e anda.

    
         Por esses textos acima, pode-se perceber que o operário que recebe o seu alimento, recebe das pessoas que o hospedavam em suas residências; percebe-se, também, que eles não eram viciados em dinheiro, não extorquiam seus fiéis, não amavam o dinheiro, não possuíam prata e nem ouro. Enquanto muitos membros ficam doando dinheiro para as igrejas, muitas vezes, deixam de socorrer alguém que senta ao seu lado na sua própria igreja. Entretanto, como ficam os pastores de hoje que presidem nas igrejas, nos templos gigantescos, nos templos medianos ou pequenos? É justo eles receberem um salário? Claro que sim! Mas quanto? Quem define? O próprio pastor é quem define? Antes de dar a sua resposta, procure lembrar de algum líder espiritual que foi ligado a riquezas no contexto bíblico cristão. Achou algum?

     Estava lendo um artigo nesse site (http://noticias.gospelmais.com.br/pastores-grandes-igrejas-recebem-salarios-256-mil-ano-26971.html) e fiquei refletindo: a verdade é que muitas igrejas hoje em dia, com seus templos faraônicos, fugiram completamente do ideal do Cristianismo nascente e como diz o texto do site citado acima, "os pastores fundadores das grandes igrejas, não são “assalariados”. Esses pastores fixam seu próprio salário, conforme a arrecadação das igrejas, e esses valores superam as cifras divulgadas pela ONG Good.is, pois eles não são disponibilizados."

      Isso só faz mostrar o quanto eles arrecadam e quanto ganham, ou seja, infinitamente mais do que qualquer membro de suas igrejas. Imagine o salário deles comparado com o de suas ovelhas? Por exemplo, pegue uma igreja qualquer onde se retira 10% da arrecadação do dízimo, a qual é enviada para o seu fundador, isso, sem falar daquelas em que o fundador da igreja põe a mão na totalidade do dízimo arrecadado. Imagine quanto é enviado de todas as igrejas existentes para esse homem? Se uma igreja arrecada mensalmente, por exemplo, R$ 30.000,00 de dízimo, é enviado, então, R$ 3.000,00 para o fundador. Isso de uma igreja. Digamos que existam 140 igrejas e que cada uma envie, em média, R$ 3.000,00 (umas podem enviar mais e outras, menos), logo, o seu líder fundador arrecadaria, em média, R$ 420.000,00 por mês ou R$ 5.040.000 por ano. É por isso que nunca será divulgado o salário desses fundadores na íntegra. 

     Nesse curto texto o que quis transmitir é que o evangelho de hoje ganhou caracteres de empresa e os seus líderes ganharam status de empresários. Seus membros, muitas vezes, não são vistos como ovelhas, mas como clientes. Se doam o dízimo podem exercer cargos na igreja, senão, não podem fazer nada. Assistência social para o membro necessitado ou qualquer outra pessoa da redondeza? Algumas fazem, de vez em quando, mas outras, só no Natal e olhe lá. Com um montante desses arrecadado anualmente (R$5.040.000,00) tinha-se que fazer caridade todos os dias em todas as suas igrejas. Ah, mas alguém pode argumentar: a missão da igreja não é fazer caridade. Diga isso para o autor da parábola do bom samaritano. É óbvio que Deus está querendo salvar a sua alma, mas a fé sem obras é morta. Mas não se esqueça que nós, nesse exemplo, não estamos falando da totalidade dos dízimos arrecadados, mas apenas nos 10% (dez por cento) que as igrejas tiram dos dízimos e enviam ao seu fundador; portanto, elas ficam com 90% (noventa por cento) todos os meses. Fora as igrejas, como já disse, que não usam essa metodologia mas ficam com todo o dízimo arrecadado mês a mês. Mas ainda existem igrejas sérias que sabem usar o dinheiro para a honra e glória de Deus e para a divulgação da sua palavra. 
    II Pedro 2:3 diz o seguinte: E por avareza farão de vós negócio com palavras fingidas; sobre os quais já de largo tempo não será tardia a sentença, e a sua perdição não dormita. Para quem crê nessa palavra fica, então, essa advertência.

      Que Deus nos ilumine.

     
     

Nenhum comentário:

Postar um comentário