Pesquisar este blog

sábado, 25 de abril de 2015

Creia em Jesus


Creia em Jesus


Antes de mais nada, sim, CREIA EM JESUS!!!
Não gosto de escrever textos longos, mas reconheço que às vezes se faz necessário. Peço ao leitor que se tiver um pouco de boa vontade não vai ter problemas em ler esse texto, que não é tão longo assim.
Antes de mais nada, peço a você que leia com os seus olhos e entenda com a sua mente. Compreende o que quero dizer?
Todas as religiões cristãs arvoram para si, de forma direta ou indireta, a prerrogativa da verdade como se elas fossem as próprias detentoras. Não só as cristãs, mas todas de um modo geral. Entretanto, vou me atentar às cristãs, pois posso falar com mais propriedade e por ser a ideia religiosa que escolhi.
Antes, porém, é bom lembrar que em nome das grandes religiões do mundo e de seus livros sagrados muito sangue já foi jorrado. Em nome do Judaísmo e da Torah muitas desgraças já ocorreram; em nome do Islã e do Alcorão muitas mortes já aconteceram e em nome do Cristianismo e da Bíblia muitas atrocidades já foram cometidas.

As igrejas ensinam a seus membros o que devem e o que não devem fazer e, para isso, sempre dizem que o que falam está escrito na Bíblia. O membro, já completamente doutrinado, tal qual uma vaquinha de presépio aceita tudo sem questionar. É certo que não são todos, mas a grande maioria, principalmente os que estão ligados também por algum laço financeiro com a instituição que pertencem.
Quantas vezes eu já vi o pastor, lá do púlpito, como se estivesse num palco, dando ordens do tipo: “olha para o seu irmão do lado e diga a ele que ele é um abençoado, que ele é isso ou aquilo...” e as pessoas, como robôs programados, fazem tal e qual mandou o seu pastor. É como se a igreja fosse um auditório. O pastor fica destacado. Só ele fala e os integrantes do culto apenas ouvem sem questionamentos. Fala o que pensa da sua interpretação que faz da Bíblia, pula, grita, chora, dá gargalhadas, sussurra, fala manso, fala línguas esquisitíssimas, recebe aplausos (depois diz que é pra Jesus, quando diz) anda de quatro, dá cambalhotas, rola no chão, corre pelo palco, prega, canta com bandas e grupos de shows, é o centro das atenções e em cada culto sempre há um tempo garantidíssimo para se pedir dinheiro, por meio dos dízimos e ofertas, sendo que muitas das vezes é o que na verdade importa para este tipo de "pastor". Quantos desses pastores você conhece que eram pobres materialmente ou não tão pobres, mas que ficaram absurdamente ricos depois de fundarem suas igrejas, que eles afirmam ser de Jesus? Não é verdade? Quantas igrejas, recentes ou antigas, tradicionais ou não, como a católica, a batista, a adventista, a metodista, a presbiteriana, a luterana, a assembleana, a maranata, as testemunhas de Jeová, os mórmons, dentre outras, que estão tremendamente abastadas financeiramente?

Que diferença vemos entre esses tipos de pastores e um verdadeiro líder religioso!!! Você já viu algum líder religioso de verdade rico materialmente? Já viu algum exemplo no Novo Testamento? É claro que não podemos generalizar, mas sabemos que é a maioria que não são pessoas espiritualizadas e que são gananciosas. Uma minoria se preocupa em ajudar aos outros, em servir ao seu semelhante seja da maneira que for a qualquer hora do dia ou da noite. Riqueza material não é um pecado, mas ela não combina em nada com pessoas que estão numa posição de liderança espiritual. Minha crítica não vai para o membro, nesse quesito de liderança, mas para aquela pessoa que afirma ser um líder espiritual.

E os membros? Quantas vezes já vimos pessoas, que se dizem cristãs, brigarem por causa da sua religião, afirmarem coisas do tipo: “hum, se ele não observava isso ou aquilo está perdido” ou “ele saiu da igreja, então, já era...” É nesse quesito que vou me estender um pouco mais no decorrer do texto. Fora as pessoas cristãs que dizem: “vem pra minha igreja porque ela é a única que segue a Bíblia corretamente” ou “aquela igreja é uma seita” ou, ainda, vivem fazendo estudos e mais estudos, cantando louvores, orando, lendo a Bíblia, mas não mudam seu caráter e continuam egoístas, avarentas, invejosas, briguentas, adúlteras, ladras... Uma Bíblia apenas e centenas de igrejas com suas divergências doutrinárias e, muitas das vezes, acusando-se mutuamente. Tais pessoas perdem tempo nas igrejas, nas rádios e na televisão tentando influenciar as pessoas para acreditarem naquilo que elas querem, pedindo mais dinheiro para ajudar a bancar o programa na rádio e na televisão. Qualquer religião que faz isso, seja protestante ou não, está pensando apenas em arrebanhar mais gente para a sua igreja. Por que digo isso? Porque viraram empresas, que ficam pedindo dinheiro, querendo anunciar seus produtos, ensinando doutrinas e não a verdadeira mensagem de Jesus. Qual é essa verdadeira mensagem de Jesus? Continue lendo.

 A Bíblia, a meu ver, é única, pois nos trouxe a maior das revelações: Jesus! "Jesus é a verdade, o caminho e a vida e ninguém vem ao Pai se não for por ele". Você que se diz cristão responda para si mesmo: “o que significa crer em Jesus?” Muitas pessoas, mas muitas mesmo, vão dizer que crer em Jesus é confessar com a sua boca que Jesus é o Senhor e ponto final. Como se fosse um mantra: "abra a sua boca e confesse. Pronto, irmão! Já está salvo!" Será mesmo? Crer em Jesus é só isso? Vou terminar o texto, concluindo e respondendo a essas duas perguntas:
1 - Qual é a verdadeira mensagem de Jesus?
A verdadeira mensagem de Jesus é o AMOR. Foi por amor que Deus o enviou e, ao ser enviado, ele demonstrou por sua vida a prática do amor ao próximo. Foi por amor que a graça salvadora veio até nós. Jesus nos ensinou que “cada um será julgado de acordo com suas obras”, ele nos mostrou em Mateus 25, na parábola do samaritano, na conversa com o jovem rico, dentre outros momentos, a prática do amor ao próximo e disse que os seus verdadeiros discípulos seriam reconhecidos por esse hábito. Isso é fato. Essa mensagem nos impulsiona a nos arrepender de nossos erros e a procurar ser mais parecido com Jesus, amando o nosso próximo. Aí vem a segunda pergunta:
2 – O que significa crer em Jesus?

Para muitos basta crer e não precisa fazer mais nada. Mas Jesus nunca falou que crer nele nos isenta de obedecê-lo. Ele disse que se nós o amarmos, obedeceremos aos seus mandamentos, que se resumem em amar a Deus e ao próximo. É certo que a Bíblia fala da salvação pela fé e que tal salvação é uma graça divina. Dirá um crente: "eu reconheço que Jesus morreu por mim", mas a sua vida continua sem apresentar frutos dignos de arrependimento. E aí? Como disse o apóstolo Tiago, "mostra-me a sua fé sem obras que eu com as minhas obras te mostrarei a minha fé". De uma vez por todas, entenda que a fé sem obras é morta, é estéril. A salvação é mesmo uma graça divina, pois a salvação vem de Deus por meio de nosso Senhor Jesus, o Cristo. Sim, é Deus que nos salva, pois ele é o nosso Criador e Redentor. É Deus que nos imputa a justiça de Jesus, o Cristo, porque nossa justiça é falha e não nos pode salvar. Como Criador, ele nos deu vida e como Redentor ele nos deu Jesus. Crer em Jesus, portanto, é reconhecer nossa total dependência dele e nossa total incapacidade de nos salvarmos, é recebermos sua justiça imputada a nós, obedecendo-o, amando o nosso próximo, perseverando na prática do bem, produzindo frutos dignos de arrependimento. Perceba que crer envolve ação da nossa parte. É preciso reconhecer nossa total incapacidade para nos salvar. Só Deus pode nos salvar e nos transformar em nova criatura. Nova criatura é deixarmos as coisas antigas e maléficas e praticarmos o bem, firmes na rocha. Isso é nascer de novo! Alguns podem argumentar: “mas e o ladrão na cruz? Ele só creu.”  Sim, ele só creu porque estava impossibilitado de agir. Não faça da exceção a regra. Se o ladrão descesse da cruz, ele seria uma nova pessoa.  

          Muitos não concordarão com essas duas respostas dadas no texto. Direito de cada um. Lutero quis tirar a epístola de Tiago da Bíblia porque ela parecia contrapor alguns ensinamentos paulinos.  Só que muitos ignoram que a maioria de nós nos encontramos dentro de uma cadeia de circunstâncias psicológicas, culturais, religiosas e sociais. Exemplo: pega uma criança com meses de vida e a eduque numa cultura não cristã. Ela cresce e se torna uma pessoa de bem. Chega um missionário cristão para evangelizar. Ela, educadamente, escuta e responde: “amigo, obrigado por suas palavras, mas eu não entendo assim. Deixe-me te dizer no que penso...” O missionário vai sair de lá dizendo assim: “bem, eu lhe mostrei a verdade; agora, é com ela”. E esse missionário se esquece que ele poderia estar do outro lado e a pessoa que ele levou a palavra é que poderia ser o missionário... Todos têm oportunidade de conhecer a Deus por meio das suas obras criadas e o julgamento cabe a Deus, mas o verdadeiro discípulo de Jesus vai ser reconhecido pelo amor ao próximo. Palavras do próprio Jesus.  
Que Deus nos ilumine a perseverar no caminho do bem!!

Grande [  ] a todos!
WillyWell

6 comentários:

  1. Meu amigo Wellington, é exatamente isso que tenho lhe dito ao longo dos tempos, embora possa não ter empregado tão bem a sua linha de raciocínio. Crer em Jesus é ação no bem, a favor do próximo, seja ele quem for, pois em algumas correntes religiosas se o próximo pertencer a outra denominação e não se converter à deles não terá ajuda. Muita paz!

    ResponderExcluir
  2. Grande abraço, Paulo Neto e obrigado por suas palavras!!!!

    ResponderExcluir
  3. Valeu, Thiago! Fique à vontade para trazer suas boas palavras... Grande [ ].

    ResponderExcluir
  4. Well, qual foi a principal mensagem de Jesus? Amar à Deus sobre todas as coisas e ao teu próximo como a ti mesmo. Todos os mandamentos se resumem nestes dois somente. Se você analisar os dois verá uma coisa incrível, que temos conversado diariamente: 1º : Amar a Deus sobre todas as coisas - Isto não é ter fé naquilo que não vemos, mas que acreditamos? 2º : Amar o próximo como a ti mesmo - Isto não é praticar boas obras? Logo cumpadre, vemos aí um exemplo claro de que, para herdarmos a salvação, precisamos ter fé e boas obras. Um abraço e Deus te abençoe.

    ResponderExcluir
  5. Penso ser por aí mesmo, cumpaaaaaaaaaaadre... Eu sei que muitos cristãos vão dizer que os que pensam assim são heréticos, mas, cá pra nós: quem disse que eles são os donos da verdade???

    ResponderExcluir