Pesquisar este blog

sábado, 31 de dezembro de 2016

O sábado é para ser observado pelos cristãos?



Ex. 31.17 - Entre mim e os filhos de Israel será um sinal para sempre; porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, e ao sétimo dia descansou, e restaurou-se. Compare com Ez. 20.12. "E também lhes dei os meus sábados..." Deu a quem? Ex. 31.17 já nos respondeu.


Deut. 5.15 - Porque te lembrarás que foste servo na terra do Egito, e que o SENHOR teu Deus te tirou dali com mão forte e braço estendido; por isso o SENHOR teu Deus te ordenou que guardasses o dia de sábado.

Se estou desobrigado do mandamento sabático, então, também estou desobrigado dos outros nove? Qual o princípio estabelecido no mandamento sabático? É o descanso físico. Então, há alguma comparação desse descanso com o descanso ofertado por Cristo? Continue lendo...

Guardadores do sábado costumam fazer distinção entre as leis, dizendo que a de Moisés é cerimonial e o Decálogo, moral. Há alguma distinção clara na Bíblia sobre a Lei ser cerimonial ou moral ou a Bíblia não faz tal distinção? A Lei de Moisés também é chamada de Lei do Senhor? Sim!! Veja Neemias 8.1, 8 e 18.

Ademais, o mandamento que fala sobre o descanso é um mandamento moral? Se sim, como pode ser moral se foi criado por causa do homem? Algo moral não é criado, pois já faz parte da natureza do Ser.

Há alguma orientação por parte de Jesus ou dos apóstolos exortando os gentios convertidos a Cristo a guardarem o sábado? Se há, por favor, poderia me mostrar?


O sétimo dia foi estabelecido, no Antigo Testamento, como o dia de descanso e foram duas as razões para tal descanso: o Dia da Libertação (cf. Deut 5,15) e o Dia da Plenitude da Criação (cf. Ex 20,11). Vejam agora essa analogia (criação e libertação) com Cristo. Quem está em Cristo nova criatura é (criação) e quem está em Cristo é liberto do império das trevas e transportado para o reino de Cristo (libertação). 

O descanso que o autor de Hebreus fala não é mais o descanso do dia de sábado, pois esse já era guardado pelos hebreus. Isso é óbvio e ululante. Logo, de qual descanso está sendo falado na Epístola aos Hebreus? É claro que é de um descanso espiritual, que nos é dado por Cristo Jesus. Vejamos Heb. 4.1 - Portanto, tendo-nos sido deixada a promessa de entrarmos no seu descanso, temamos não haja algum de vós que pareça ter falhado. 2 Porque também a nós foram pregadas as boas novas, assim como a eles; mas a palavra da pregação nada lhes aproveitou, porquanto não chegou a ser unida com a fé, naqueles que a ouviram. 3 
Porque nós, os que temos crido, é que entramos no descanso, tal como disse: Assim jurei na minha ira: Não entrarão no meu descanso; embora as suas obras estivessem acabadas desde a fundação do mundo; 4 pois em certo lugar disse ele assim do sétimo dia: E descansou Deus, no sétimo dia, de todas as suas obras; 5 e outra vez, neste lugar: Não entrarão no meu descanso.

Entendeu o paralelo entre o descanso no AT e o descanso no NT? O autor de Hebreus é contundente em afirmar que os crentes descansam pela fé em nosso Senhor Jesus Cristo, não mais se prendendo a dias. Para guardar o sábado (dia) é preciso fazer certas coisas e deixar de fazer outras (obras). Paulo reforça que a observância de certos dias não é o foco para o cristão. Col. 2.16 Ninguém, pois, vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa de dias de festa, ou de lua nova, ou de sábados (sabbaton no original = sábado semanal) 17 que são sombras das coisas vindouras (compare com o texto de Heb. 4 acima); mas o corpo é de Cristo. Gl. 4.9 agora, porém, que já conheceis a Deus, ou, melhor, sendo conhecidos por Deus (por que? Porque cremos - vide texto de Hb. 4), como tornais outra vez a esses rudimentos fracos e pobres, aos quais de novo quereis servir? 10 Guardais dias, e meses, e tempos, e anos (perceba que o Apóstolo, aqui, separou tim tim por tim tim). "Um faz distinção entre dia e dia, outro julga iguais todos os dias..." Rom. 14.5

Os cristãos se reuniam no domingo para partir o pão, celebrando a ceia do Senhor e, também, para recolher donativos. Isso mostra que a Igreja podia se reunir no domingo, também, para adorar a Deus? Claro que sim! Essa pergunta parece até infantil, mas não é. Paulo, em Romanos 14, nos diz que quem faz distinção entre dias é fraco na fé. Algumas pessoas, que guardam o sábado, dizem que essa passagem se refere a dias de jejum ou dias de festas cerimoniais e não ao sábado semanal. Sinceramente eu pergunto a você, prezado leitor: lendo Rom. 14 você realmente pode concordar com tais pessoas? O Ap. Paulo simplesmente fala de dias. É óbvio que o sábado é um dia. Logo, não poderia o apóstolo está se referindo ao sábado? Para aquelas pessoas que não veem o sábado semanal em Rom. 14, mas veem sábado cerimonial ou dia de jejum ou seja lá qual for o outro motivo que enxergam, eu pergunto: se não devemos fazer distinção entre dia e dia, então, podemos continuar celebrando os dias festivos cerimoniais ou jejuando em dias específicos de acordo com o entendimento que a pessoa dá a tal passagem? Sim, porque Paulo diz que “um faz distinção entre dia e dia e outros julgam iguais todos os dias. Cada um tenha opinião bem definida em sua própria mente.” Rom. 14.5. E aí? Se a pessoa entende que a passagem fala, por exemplo, de sábados cerimoniais e não do sábado semanal, então ela pode continuar fazendo seu cerimonialismo, desde que tenha sua opinião bem formada a respeito. Viu como a situação piora pra quem não vê o sábado semanal lá?

Já em Col. 2.16 e 17 diz que nós não devemos ser julgados por causa dos sábados porque isso é uma sombra de Cristo. Que sombra é essa? Lembra do texto de Deut. 5? Naquela passagem, o sábado foi colocado como um sinal de libertação para o povo de Israel; por isso, Paulo diz que ele é uma sombra de Cristo porque o verdadeiro cristão é liberto em Cristo Jesus. O cristão foi transportado do reino das trevas, em que ele era escravo, para o reino de Jesus, onde ele é liberto. O próprio Jesus nos afirmou que o sábado foi feito para nosso benefício e que somos muito maiores do que o sábado. É um princípio de descanso. Muitos sabatistas dizem que Col. 2.16 se refere aos sábados cerimoniais, mas isso não procede porque o idioma grego diz sabbaton que quer dizer sábado semanal. Isso é um fato etimológico. Outros sabatistas admitem tal vocábulo, entretanto, baseiam-se em I Cr. 23.31, dentre outras passagens que trazem o mesmo teor, para afirmarem que a passagem de Colossenses se refere aos holocaustos que eram realizados no dia de sábado. De fato, havia holocaustos para todos os dias. Agora eu peço a sua atenção para lermos juntos a passagem: “Ninguém, pois, vos julgue por causa de comida e bebida, ou dia de festa, ou lua nova, ou sábados.” Paulo está mostrando a sequência lógica: dia de festa (acontecia durante todo o ano), lua nova (acontecia todo mês) e sábados (toda semana), repito: toda semana!!!! Ora, senhores adventistas, será que em "toda semana = sábados" só acontecia cerimonialismo? Óbvio que não! É óbvio que o apóstolo está se referindo ao sábado semanal em sua sequência apresentada. 

Por favor, leia Levíticos 23, em especial os versos 1, 2, 3, 37 e 38 e você verá quais são as festas fixas do Senhor e verá, também, que o sábado semanal é a primeira festa dada ao povo de Israel. Logo, a expressão "sábados", em Col.2.16 não pode estar falando dos holocaustos que acontecia no dia de sábado ou de sábados cerimoniais, pois os dias de festa já contemplavam os sábados cerimoniais e o sábado semanal está dentro do contexto das solenidades de Levíticos 23. Então, senhores adventistas, por que sábado sim e as outras festas não?

É óbvio que o mortal ser humano precisa de descanso físico, mas o descanso que se toma posse pela fé (Hb. 4.3) é espiritual e isso é claro. Pessoas que pensam que estão livres para pecar por causa disso, são pessoas ignorantes e que só tiveram um encontro com a teoria e com as letras apenas, mas não com Cristo. 

Antes de terminar, gostaria de te convidar, prezado leitor, a fazer o seguinte teste, a título de curiosidade: imagine uma aldeia onde as pessoas vivem sem a noção de tempo, como relógio e calendário. Elas trabalham, vivem normalmente e descansam um dia na semana. Digamos que nesse nosso exemplo tal dia seja a quarta-feira. Pergunto: faz alguma diferença na vida delas elas descansarem nesse dia e adorarem a Deus na quarta-feira com mais tempo e dedicação sem a presença do trabalho diário? Óbvio que não! Isso nos mostra que o mandamento do sábado não é moral como os demais, mas foi criado para o homem. Agora imagine essa mesma aldeia infringindo qualquer outro dos nove mandamentos! Imagine um adúltero no meio deles, um ladrão, um invejoso, um mentiroso, um idólatra ou assassino? Faz diferença entre eles e Deus e entre eles e o seu próximo? Claro que sim! Perceberam a diferença? Ou seja, Deus não está se importando com “um dia” fixo. Por que digo isso? Porque Deus fez o descanso para o homem e não o homem para o descanso. O Antigo Testamento nos traz ensinamentos que encontram sua realidade em Cristo Jesus e o sábado (literalmente cessar, descansar, terminar) encontra sua realidade no Descanso Verdadeiro, que é o nosso resgatador e salvador Jesus, o Cristo de Deus. Eu sei que os adventistas têm muita dificuldade em enxergar isso, pois eu fui um deles e sei muito bem como isso é massificado em suas mentes...

Terminando, percebam que três observâncias principais separavam os judeus dos povos pagãos: a circuncisão, o sábado e a alimentação. Exatamente estas três coisas foram assunto das cartas de Paulo aos romanos, aos gálatas e aos colossenses; e nas três estas observâncias são desestimuladas. O sábado, portanto, de fato, era uma sombra de Cristo.
Que Deus continue nos iluminando e que nós possamos verdadeiramente amar a Deus e ao nosso próximo. Isso sim é uma nobre e difícil tarefa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário